Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mOVIMENTO de hUMOR

Desenhos originais com um hUMOR que ou fazem pensar ou fazem ranger os dentes.

ONU CRITICA INACÇÃO NO PINHAL DE LEIRIA

Gomes, 12.08.20

MH AGOSTO 20-07.jpg

Não tem o destaque da Floresta da Amazónia
dada pelos movimentos de intervenção ecológicos,
mas na proporção de Portugal
o Pinhal de Leiria é a nossa "Amazónia" - ou, para sermos exactos: já foi!

O governo não só não tomou medidas
para recuperar o que foi destruído pelos fogos de 2017
como não está a tomar as devidas medidas
para a prevenção de incêndios
(há a história mal contada
da compra de drones)
e muito menos medidas
para o seu combate.

Desta vez a crítica não veio de nenhum partido da oposição,
ao partido do governo, nem de nenhum movimento
em Portugal que se insurgiu em relação à Amazónia,
veio de um especialista em gestão de incêndios
do departamento de Florestas da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO),
Peter Moore, que visitou em Fevereiro deste ano (2020)
este e outros locais afectados pelos incêndios de 2017,
em Portugal.
«- Esperava ver no terreno um esforço de recuperação mais visível e fiquei surpreendido por não ver actividade nenhuma», admitiu ao Expresso o especialista, que no terreno observou um cenário de «devastação onde permanece tudo negro»
dois anos depois de as chamas ali terem consumido
86% da floresta.

A desculpa foi, está claro, para a falta de fundos.

No interior...
...porque da Grande Lisboa
e do Grande Porto há verbas.

Fonte: artigo de Carla Tomás e publicado no Expresso :https://expresso.pt/…/2020-02-02-ONU-critica-inacao-no-Pinh…

A crítica cá dentro em Portugal também se faz,
mas não é ouvida (é só ouvida a da Amazónia
por causa das "agendas políticas").

Pois a legislação sobre floresta “é um tremendo emaranhado”, em que a maior parte “não passa de boas intenções”, inclusive o Programa de Transformação da Paisagem, destacando-se a falta de cadastro, afirma
Joaquim Sande Silva, membro do Observatório Técnico Independente.
«Temo que o país não esteja suficientemente preparado para evitar aquilo que já aconteceu há três anos», alerta Joaquim Sande Silva, especialista em floresta e professor na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Coimbra, referindo-se aos incêndios de 2017 e apontando como grande falha a morosidade quanto à implementação de medidas.

Fonte: https://www.noticiasdecoimbra.pt/legislacao-sobre-floresta…/

Só os santos nos podem ajudar.

Mantenham-se alerta!

Gomes
11/08/2020

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.