Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

mOVIMENTO de hUMOR

Desenhos originais com um hUMOR que ou fazem pensar ou fazem ranger os dentes.

PRESIDENTE DA ANMP ALMOÇA SAPO POR INDICAÇÃO DO PRIMEIRO MINISTRO

Gomes, 22.06.20

MH JUNHO 20-16.jpg

O senhor presidente da Assembleia Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), Manuel Machado,
almoçou em Coimbra com o senhor primeiro ministro (PM), António Costa, consta que, por forte sugestão de António Costa, Machado terá engolido um grande "sapo".

(Canção «eu vi um sapo»: https://www.youtube.com/watch?v=Rj34d00KNdk )

Um "sapo", diz alguma comunicação social,
que é pela insuficiência da verba dos 30 milhões de euros
para apoio à Cultura.

(
https://www.noticiasdecoimbra.pt/municipios-consideram-30-milhoes-para-a-cultura-insuficientes/)

Na realidade, a grande Lisboa e o grande Porto
levaram 90% das verbas de programação 2020
para políticas territoriais: de 694 milhões - 623 milhões ficaram entre Lisboa e Porto - o resto do país
ficou com 10% da verba.

E os municípios estão a prever
que vai acontecer o mesmo com estes 30 milhões
(a suspeita é fundada)
por isso esta verba não basta,
pois é previsível que Lisboa e Porto
vão ficar com o bolo quase todo.

- Então que critério deveria haver?

O critério do número de habitantes de cada município,
por exemplo, poderia ser mais justo e equitativo (mesmo Lisboa e Porto continuando a levar a fatia-de-leão.

Com este critério Coimbra perdia muito
(mesmo sendo considerada uma cidade universitária).

Pois foi um dos municípios que mais perdeu população baixando do 16º lugar em 2011
para o 19º lugar em 2018,
mas isto tem sido da responsabilidade da má gestão
do executivo de Manuel Machado.

O que torna este critério justo
é o facto de os municípios que não conseguiram aumentar
a sua população serem penalizados por isso.

Por isso a "prova-do-algodão" seria aumentar a população.

Mas qual o critério que irá definir
com quem fica com maior verba?

Os lobbys das maiores organizações culturais de Lisboa e do Porto e o RESTO de Portugal ... não é Portugal.

Gomes
19/06/2020