Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

mOVIMENTO de hUMOR

Desenhos originais com um hUMOR que ou fazem pensar ou fazem ranger os dentes.

MINISTRO DO AMBIENTE É CLARAMENTE UM "GRANDE NABO"

Gomes, 08.04.21

MH MARÇO 21-24-21.jpg

MINISTRO DO AMBIENTE É CLARAMENTE UM "GRANDE NABO"

O ministro do Ambiente e Ação Climática, Pedro Matos Fernandes, é claramente um "grande Nabo". 'Nabo', mas não no sentido botânico da planta crucífera de raiz tuberosa e folhas comestíveis, 'nabo' como adjetivo que significa: que tem falta de habilidade, inteligência ou desembaraço.

Vamos ver qual a razão deste adjetivo.

No dia 27 de Dezembro de 2019, o jornal «Público» colocava artigo com título: «Ministro do Ambiente diz que deslocação de aldeias não pode ser “tema tabu”» relativamente às enormes chuvas de Dezembro 2019 que inundaram o Mondego e por falta de gestão da água inundaram aldeias (uma das aldeias foi Coimbra).

Ver aqui: https://www.publico.pt/.../ministro-ambiente-deslocacao...

O excesso de água e a falta de gestão do seu ministério deu nisto. Em vez do Ministro procurar com os especialistas a maneira de resolver decide colocar a possibilidade de mudar aldeias.

Mas havia água a mais!

Em 2021 vem dizer outra asneira.
O jornal «Observador» de 22 de Março 2021 vem com um artigo com o título «Ministro do Ambiente defende aumento do preço da água para mostrar que é escassa»

Defende o grande nabo que a água só pode ser bem usada se aumentar o preço 😃 😃 (que grande palhaçada pois já nos fez rir imenso).

Ou seja: as pessoas com mais posses podem esbanjar água e os mais necessitados é-lhes cortada a água por não terem dinheiro - é isso que o ministro do Ambiente e Ação Climática, Pedro Matos Fernandes, quer ? Ou quer arranjar maneira de o Governo subsidiar as companhias da água para dar mais dinheiro a camaradas das autarquias ?

Outra questão: se aumentar o preço da água as pessoas começam a perceber que devem gerir melhor a água em suas casas ? Então não é uma questão de informação e educação?

Ainda outra questão: o ministro do Ambiente e Ação Climática, Pedro Matos Fernandes, tem algum plano ou iniciou alguma medida para aproveitar as águas das fortes chuvas que ameaçam as comunidades litorais? Ou a medida é só aumentar o preço da eletricidade (dos camaradas da EDP) e agora a da água?

O ministro do Ambiente e Ação Climática, Pedro Matos Fernandes, merece o ordenado e as mordomias de ministro?

Mantenham-se em segurança destes "grandes nabos"

Gomes

08/04/2021

PORTUGAL IMPORTA LIXO ESTRANGEIRO MUITO MAIS BARATO DO QUE A MÉDIA EUROPEIA

Gomes, 08.06.20

MH JUNHO 20-7.jpg

A importação de lixo estrangeiro a troco de 11 (onze) euros
a tonelada, feito pelo governo português está muito abaixo
da média europeia que é de 80 (oitenta) euros a tonelada.

Portugal fica com os resíduos estrangeiros
pela bela soma de 11 euros a tonelada
sendo os maiores clientes estrangeiros o Reino Unido,
Itália e Países Baixos.
(https://www.rtp.pt/…/populacao-ja-nao-aguenta-o-cheiro-do-a…)

Os aterros de Valongo (freguesia do Sobrado), Azambuja e da Lousada (os que recebem mais lixo) estão em condições muito duvidosas. O presidente do Município de Valongo, José Manuel Ribeiro, afirmou que «(...) não é claro o que lá se deposita» mostrando que desconhece
o que é colocado no aterro do seu município
e o ministério do Ambiente não lhe dá informação.

Mas o senhor ministro do Ambiente, Matos Fernandes, garantiu que desde inicio de Maio 2020 o aterro do Sobrado (Valongo) deixou de receber resíduos do Reino Unido, Itália e Países Baixos (os maiores clientes).
(https://www.tsf.pt/…/aterro-de-valongo-sem-residuos-importa…)

O coronavírus teve um ataque maior em que mês
e em que países?

Talvez não seja nada de grave
e deve ser uma das medidas do governo
para combater as alterações climáticas (ou talvez não)

Só o aterro de Sobrado, em Valongo,
recebe mais de 280 toneladas de lixo, por dia,
proveniente de vários países da Europa
a 11 euros a tonelada é fazer as contas
(como dizia outro ilustre socialista preocupado
com o Ambiente Mundial)
e perguntar se esta é que é a "estratégia"
para o interior de Portugal do senhor Matos Fernandes.

Já teve aquela ideia peregrina de mudar as aldeias à beira Mondego, agora faz negócio com o lixo estrangeiro.

No dia do Ambiente o senhor ministro disse: «O ambiente tem de estar no centro da recuperação económica» - lá está!

Para verem que não inventamos nada e que a fonte é segura:
https://expresso.pt/…/2020-06-05-O-ambiente-tem-de-estar-no…

Ou seja no interior: nada de barragens,
aeroportos (o de Coimbra ou de Leiria - népias!)
e outras estruturas que tragam pessoas.
(https://observador.pt/…/nao-e-com-mais-barragens-que-se-re…/)
(concentrar aeroportos na grande Lisboa - https://www.dn.pt/…/aeroporto-montijo-cumprindo-as-exigenci…)

Para interior deve continuar a construirem-se aterros
para que Portugal continue a importar lixo a preço baixo.

Matos Fernandes, muito preocupado
com a sua imagem escreve carta à menina Greta
mostrando a preocupação com as alterações climáticas - parece que a importação de lixo estrangeiro
não tem nada a ver com isto da defesa da ecologia - nem a menina deve saber que Portugal importa lixo a preço muito baixo.
(carta de propaganda pessoal de Matos Fernandes : https://zap.aeiou.pt/matos-fernandes-escreve-greta-294580)

Será que a estratégia de Matos Fernandes
é acabar com as populações do interior
(Valongo não suporta o cheiro, as aldeias do Mondego deveriam ser deslocadas...) e em seu lugar fazer um gigante ATERRO PARA CONTINUARMOS A RECEBER LIXO ESTRANGEIRO AO PREÇO DE 0,011 euro o Quilograma?

O preço da banana é muito mais alto!!

Pode não ser esse o plano do senhor ministro do Ambiente,
mas está a criar condições para isso.

Portugal talvez tenha saído do "lixo" da dívida,
mas está enterrado em lixo europeu,
com tendência para ocupar o lugar da GRANDE LIXEIRA DA EUROPA.

É assim que se preocupa em combater as alterações climáticas?

Mantenham-se em segurança
e alerta para as manipulações.

Gomes
08/06/2020